Sexta-feira, 1 de Maio de 2009

A morte do sentimentalismo

 

Não consigo deixar de ser assim. Exagero, complico, tudo arde e volta a arrefecer em questão de minutos. Mas também sei reconhecer. Reconhecer que não tive razão e que exagerei. No entanto, há coisas que só eu sinto e para mim justificam os "dramas". Por ter consciência de minha pessoa, coisas há que já mudei. Não pela outra pessoa mas por mim.

 

Só quero que me ouçam, que conheçam o que sou e que aceitem.

 

Bastava-me o silêncio. A compreensão de pelo menos um milésimo do que me constitui. Em vez disso, fica a aparência de reacções sem intuito.

 

E o que está cá dentro, não conta?

 

Não sou prática nem fria. Não sou assim. Sofri desilusões mas toda esta patética veia sentimentalista permaneceu na mesma. Uma palavra para mim pode significar a alteração de um dia completo. É assim tão descabido ser assim? Será que terei de ver tudo tão objectivamente para deixar de ser exagerada? É assim tão errado preocupar-me com o que sinto e faço sentir?

 

Esta impossibilidade de demonstrar o que sinto sem ser julgada está-me a corroer. Aprendi a viver e a deixar de pensar tanto (penso que para deixar de me sentir ridícula). Deixei de ter vontade de escrever (acho que porque me alimenta a existência do sentimentalismo).

 

No fundo, um pedaço dessa parte de mim vai morrendo...dia após dia...

 

 

Estou...:
Música: João Pedro Pais e Mafalda Veiga - paciencia
Publicado por ascertezasdasincertezas às 13:33
link do post | Comentar | Ver comentários (8) | favorito
|

E eu sou assim...


ver perfil

seguir perfil

. 144 seguidores

pesquisar

Agosto 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Inconstâncias recentes

A morte do sentimentalism...

Inconstâncias armazenadas

tags

todas as tags

eXTReMe Tracker
blogs SAPO

subscrever feeds